Hosting por dinahosting.

INICÍO DUM NOVO ANO ESCOLAR

Já aló vão quase dois meses desde que nos voltamos reencontrar com as sementinhas um ano mais, e nós ainda sem vos contar as novidades!
O primeiro, queremos dar a bem-vinda à Semente Trasancos a duas novas crianças: a Duna e o Mateo. Aguardamos que a Semente seja para vós um lugar onde sentir-vos seguras e respeitadas.

Este ano somos 18 crianças, que pouco a pouco vamos apanhando o ritmo de novo e despertando a curiosidade por aprender por nós mesmas.
Agora já sabemos que setembro é o mês onde começa a vindima e tivemos a sorte de provar as uvas da família do Roi, com as que também aproveitamos para pintar.

Também já iniciamos o projeto “Tempo em família”, no que as nossas queridas mamães e papais, vêm-nos ensinar coisas diferentes e interessantes que sabem fazer. Desta volta, foi a família da Lenda, que nos ensinou a usar… Uma cozinha solar!! Foi incrível ver como o arroz com verduras que fizemos se cozinhava só com o calor do sol e sem contaminar nadinha!

Já alguma vez vos falamos da contorna da nossa escola, na que pela parte de trás há um caminho cheio de possibilidades educativas. Lá achamos uns castanheiros enormes cheios de castanhas e aló fomos apanhá-las e assá-las, estavam muito boas! Nesse mesmo caminho, num campeiro próximo, conhecemos uma pucha praticamente recém-nascida que descansava junto a sua mãe, e que nos observou quase com tanta atenção como nós a ela.

Como já muitas sabedes, no nosso espaço temos árvores autóctones que foram plantadas há muitos anos pelas crianças que iam ao que daquela era a Escola de Sam Mateo, e pelas quais estamos muito agradecidas de ter porque as podemos observar e estudar de perto.
Estes dias, descobrimos o carvalho e aprendemos que o seu fruto se chama landra e essa espécie de chapéu que tem, casulo, que ademais serve para fazer chifres!

Também lemos contos novos dos que gostamos muitíssimo, como por exemplo o do Cuquedo, do que gostamos tanto que fizemos os nossos próprios cuquedinhos muito assustadores.


Nas nossas habituais explorações encontrámos um bicho-pau que nos fez muita ilusão, também uma píntega dissecada e um cogumelo peido de lobo! Temos mesmo muita sorte de poder estar em contato com a Natureza! Ah, por certo! Ao bicho-pau soltámo-lo depois de o observar, não vaiades pensar que ficou aí fechado nesse pote!

Este ano recebemos ao Samaim com muita ilusão e tivemos a sorte de contar com Rafael López Loureiro! Todo um experto na matéria e uma das pessoas a quem devemos agradecer a recuperação desta festa tradicional de defuntos. Com o Rafa, aprendemos que por esta zona se chamam melões, que era habitual fazer os dentes com pauzinhos, que serviam para iluminar o caminho às ânimas e que a cabaça pode-se comer crua, como se fosse cenoura!

E pelo momento isto e tudo, mas voltaremos para vos contar mais coisinhas!

Tagged on: